Follow Us

Chuvas aumentam níveis de reservatórios; Vulcão Vila Rica preocupa autoridades

Tempo Brasil mostra as tendências do tempo até domingo no país e as reportagens desta semana; assista

Redação News: Bebês são encontrados dentro de congelador; Dilma fala sobre manifestações

Edição é apresentada por Jaime Júnior, que mostra, em 10 minutos, os fatos marcantes da semana

Cerca de 60 mil pessoas realizaram atos contra governo em Caxias do Sul

Domingo foi marcado por protestos em várias cidades do país. Atos foram pacíficos. Leia e assista

Canoas tem casos suspeitos de meningite bacteriana

Da redação

A Secretaria Municipal da Saúde de Canoas está investigando a suspeita de duas mortes por meningite bacteriana que é o tipo mais severo da doença. Uma de um homem de 53 anos que morreu na sexta-feira. Ele era morador do bairro Niterói, e trabalhava como pedreiro em Viamão, que registrou uma sequência de casos nas últimas semanas. O outro caso seria de uma menina de 10 anos e que aconteceu em fevereiro. A princípio não existe relação entre as duas mortes.

Hoje, a Secretaria Estadual da Saúde deve divulgar o resultado inicial do Laboratório Central de Saúde Pública do Estado sobre a morte do homem, além de um balanço da doença no RS. Já o laudo das causas do óbito da menina, ainda não foi divulgado, pois houve dificuldade na identificação da bactéria. Em 2015, Canoas já registrou 12 notificações de pacientes com meningites (virais e bacterianas) e seis foram confirmadas. O número é considerado normal pelo Município.


Aprovado projeto que torna crime hediondo o assassinato de policial em serviço é aprovado

Agência Brasil


FOTO: ABR
O projeto de lei que torna crime hediondo e homicídio qualificado assassinar policial, bombeiro militar, agentes penitenciários e integrantes das Forças Armadas e da Força de Segurança Nacional, quando estiverem em serviço, foi aprovado pela Câmara dos Deputados. Originário do Senado, o projeto retorna aos senadores para nova apreciação por ter sido modificado pelos deputados.

O projeto prevê ainda que o agravamento da pena se estende em caso de assassinato do cônjuge, companheiro ou parente até o terceiro grau do agente público de segurança. Em tais casos, a pena será de reclusão de 12 a 30 anos, enquanto, no caso de homicídios simples, a pena de reclusão varia de seis a 20 anos. O texto dos senadores não tratava de penas no caso dos parentes dos agentes públicos. 


O projeto aprovado altera o Código Penal e a Lei de Crimes Hediondos e estabelece que a lesão corporal cometida contra agentes de segurança em serviço e seus parentes será aumentada de um terço a dois terços.

São classificados atualmente como crimes hediondos o genocídio, a tortura, o estupro, o latrocínio e o seqüestro, entre outros. Esses delitos não recebem indulto, anistia ou graça e não podem ser objeto de fiança.

Canoas: Alunos vão ser transferidos após agressão a professora por pedido do MP

Da redação

FOTO: Paula Vinhas/PMC
A Secretaria de Educação de Canoas ofereceu, na tarde de hoje, três opções de escolas para realocar os estudantes cuja mãe agrediu e arrastou uma professora pelos cabelos. O Ministério Público entrou com pedido para a transferência dos alunos, alegando o risco de bullying na escola após o ocorrido. A professora agredida já aceitou a proposta de realocação e está dando aula em outra instituição. A mãe das crianças foi comunicada da determinação do MP e vai ter de escolher uma das três opções oferecidas, todas próximas à residência da família. Caso ela não aceite o proposto, o Ministério vai fazer uma nova manifestação. 

No âmbito da infância e juventude, o MP de Canoas também abriu um procedimento para analisar se a escola tomou as medidas necessárias no caso. A professora agredida aceitou ter sido transferida de escola.

O incidente ocorreu depois que a vítima repreendeu o filho da agressora pelo atraso de cerca de meia hora para chegar à escola Irmão Pedro. A criança voltou com a mãe, que também ameaçou a professora com uma faca.


Obras na Anita Garibaldi estão paradas há um mês

Da redação

As obras na rua Anita Garibaldi, em Porto Alegre, estão paradas há um mês. A Prefeitura da Capital deve rescindir o contrato com a empresa Sultepa, que é responsável pelos serviços no momento.

A contratada não informou o motivo das interrupções, e segue negociando com a prefeitura. Caso não haver acordo entre as duas partes, uma nova empresa aparece na disputa.

Os trabalhos se iniciaram em junho de 2012, com um investimento inicial de R$ 9,89 milhões, e teriam prazo de execução de um ano. Entretanto, por causa de uma rocha que atrapalhava o andamento, o investimento ficou R$ 4 milhões mais caro.

Duas faixas sentido oeste-leste, pistas com acesso sentido norte-sul da III Av. Perimetral e pistas de acesso à rua Anita Garibaldi no sentido sul-norte, permitirão fluidez no trânsito da região. 

ANTES
DEPOIS

Vereador é preso em Santa Maria

Da redação


FOTO: Divulgação PF
O vereador de Santa Maria, João Carlos Maciel do PMDB, foi preso em flagrante durante uma operação da Polícia Federal, deflagrada na manhã de hoje. Ele é suspeito de estocar medicamentos vencidos e sem procedência em um escritório.

De acordo com a polícia, houve uma denúncia envolvendo o nome do político. Durante abordagem, foram descobertos dez sacos plásticos cheios de remédios e mais medicamento vencidos sem documentos que comprovassem origem.


Nesta manhã, Maciel prestou depoimento à polícia e alegou que os produtos foram doados para seu programa de assistência social.

A PF, em parceria com o Ministério Público Federal, deflagrou nesta quinta-feira, em Santa Maria, na região Central do Estado, a segunda fase da Operação Medicaro, que apurou fraudes na aquisição de medicamentos, em face de ações judiciais.

Pela análise dos documentos e mídias apreendidos na primeira fase da operação, ficou evidênte a prática da fraude. Um empresa farmacêutica fornecia notas superfaturadas em papéis com timbre de três farmácias distingas para evitar a concorrência. Os intermediários providenciavam os orçamentos superfaturados e recebiam, para tanto, 10% do valor do medicamento. Advogados que faziam parte do esquema, também recebiam entre 5% e 10% sobre o valor do orçamento e o servidor envolvido no esquema da Coordenadoria Regional de Saúde direcionava a aquisição do medicamento e beneficiava determinadas farmácias, recebendo, para tanto, um percentual sobre o superfaturamento.

Esses percentuais podem ter gerado aos envolvidos lucros milionários, segundo a PF, uma vez que muitos dos medicamentos adquiridos via judicial são para tratamento de câncer e possuem um alto valor comercial. Além disso, o Estado do Rio Grande do Sul possui o maior número de processos para garantir acesso a remédios do país, sendo que a cidade de Santa Maria lidera o ranking estadual, superando até mesmo a capital Porto Alegre.


Tecnologia do Blogger.