BANCOS, CORREIOS, ÔNIBUS E TREM: Confira o impacto da greve de sexta-feira na região Metropolitana

Da redação - atualizado às 23h38 de 27/04/2017
FOTO: Marco Pecker/Trensurb
A Central Única dos Trabalhadores (CUT) e outras entidades sindicais estão convocando uma greve geral para o dia 28 em conjunto com movimentos. A mobilização é contra as reformas trabalhista e da Previdência, propostas pelo governo Michel Temer (PMDB).

Por isso, diversos serviços devem ser afetados em Porto Alegre, na região Metropolitana e no interior. O GBC Portal fez um levantamento sobre quais categorias devem aderir à paralisação em algumas cidades.

ALVORADA
O Sindicato dos Rodoviários de Alvorada, na Região Metropolitana de Porto Alegre, aprovou a participação na greve geral convocada para a próxima sexta-feira (28). A categoria se reuniu em assembleia para decidir sobre o tema.

Segundo o presidente do Sindicato, José Luiz Araújo, a mobilização da categoria vai começar ainda pela madrugada. “Vamos nos reunir em frente a garagem da Soul e da Val”, conta.

CANOAS
O presidente do Sindicato dos Rodoviários de Canoas, Marcelo Nunes, confirmou a adesão da categoria na greve da próxima sexta-feira (28). Devido a isso, o funcionamento dos ônibus da Vicasa e Sogal vão ser afetados pela paralisação.

"Os rodoviários vão cruzar os braços contra a reforma trabalhista e da previdência", explica Nunes.

CACHOEIRINHA
O Sindicato dos Trabalhadores Rodoviários Intermunicipais, Interestaduais, Turismo e Fretamento do RGS, informou que a categoria deve paralisar os serviços em Cachoeirinha. Com isso, as linhas da Transcal devem ser afetadas.

A empresa Stadtbus que opera as linhas municipais, informou que a circulação dos coletivos não devem ser afetadas, mas que haverá um ato do Sindicato no terminal CADOP.

GRAVATAÍ
Apesar da greve geral anunciada para esta sexta-feira (28), o Sindicato dos Rodoviários de Gravataí informou que não há nenhuma paralisação programada para o dia. Ou seja, o transporte coletivo deve seguir operando normalmente.

A concessionária do transporte na cidade, a Sogil, deve cumprir a tabela normal de horários para a sexta-feira. Segundo o Sindicato, a circulação das linhas intermunicipais da empresa pode ser interrompida.

PORTO ALEGRE
Todas as 14 empresas que operam o transporte coletivo na Capital devem ter as garagens bloqueadas por manifestantes a partir das 5h. A informação foi confirmada pelo Sindicato dos Trabalhadores de Transporte Rodoviário de Porto Alegre.

A Associação dos Transportadores de Passageiros por Lotação de Porto Alegre (ATL) informou que os 441 veículos distribuídos em 31 linhas vão operar normalmente em Porto Alegre. Ainda não se definiu, porém, se os usuários poderão ou não trafegar em pé nos lotações. A entidade espera uma posição da EPTC. A Associação representa tanto a classe patronal quanto os trabalhadores.

SÃO LEOPOLDO
As empresas de ônibus leopoldenses informaram que os serviços devem ser mantidos normalmente na próxima sexta-feira (28).

NOVO HAMBURGO
A empresa Central que opera as linhas intermunicipais entre NH, São Leopoldo e Porto Alegre, a operação deve ser mantida normalmente. Conforme a empresa, os coletivos só serão recolhidos caso haja alguma depredação.

VIAMÃO
Os rodoviários de Viamão, na Região Metropolitana de Porto Alegre, garantiram que vão cruzar os braços e fazer bloqueios em garagens de ônibus durante a greve geral.

POSIÇÃO DA METROPLAN SOBRE A CIRCULAÇÃO DE ÔNIBUS METROPOLITANOS
A Fundação Estadual de Planejamento Metropolitano e Regional informou que as empresas garantiram a circulação normal dos ônibus em cidades da Região Metropolitana.

TRENSURB
A presidente do Tribunal Regional do Trabalho da 4ª Região (TRT-4), desembargadora Beatriz Renck, determinou que metade da frota da Trensurb circule em horários de pico durante esta sexta-feira (28), dia de greve geral.

O Sindimetrô-RS deve, com isso, manter um número suficiente de trabalhadores para o cumprimento dos 50% das 5h30 às 8h30 e das 17h30 às 20h30.

LINHAS INTERMUNICIPAIS
O Sindicato dos Trabalhadores Rodoviários Intermunicipais e Interestaduais (Sindirodosul) informou que os trabalhadores também vão aderir à greve geral. Uma concentração é prevista para ocorrer na Estação Rodoviária de Porto Alegre. Assim, não serão realizadas viagens da Capital para o Interior. Contudo, a entidade reconhece que alguns ônibus podem vir de cidades do Interior, em direção a Porto Alegre.

Em nota, o Departamento Autônomo de Estradas de Rodagem (Daer) informou que a circulação de ônibus intermunicipais vai ocorrer dentro da normalidade. A paralisação chegou a ser anunciada, o governo acabou revendo a decisão.

Já a Estação Rodoviária de Porto Alegre disse estar ciente da paralisação dos trabalhadores e garantiu que os passageiros vão ser ressarcidos caso não consigam viajar. Bilhetes serão vendidos na sexta-feira apenas se o ônibus estiver no terminal.

BANCOS
A Federação dos Trabalhadores e Trabalhadoras em Instituições Financeiras do Rio Grande do Sul (Fetrafi – RS) informou aos bancos e a população que os bancários vão paralisar as atividades na próxima sexta-feira (28).


CORREIOS
A Federação Nacional dos Trabalhadores em Empresas de Correios e Telégrafos, que reúne todos os sindicatos regionais da categoria, decidiu que vai entrar em greve por tempo indeterminado a partir do dia 28. Cabe a cada sindicato estadual decidir se adere à decisão da federaçnao nacional.

AERONAUTAS
Pilotos e comissários de voo decidiram não aderir à greve geral desta sexta-feira e encerrar movimentações para qualquer tipo de paralisação, segundo o Sindicato Nacional dos Aeronautas (SNA). Em nota, a entidade convocou os trabalhadores a participarem da manifestação em Porto Alegre.

ESCOLAS
Rede estadual
O Cpers-Sindicato decidiu, no conselho geral, que não haverá aula nas escolas estaduais na sexta-feira, mas isso dependerá da mobilização dos professores.

Nas últimas greves anunciadas pela entidade, a adesão foi restrita.

Rede municipal
Sindicatos vinculados a professores e funcionários de escolas municipais em cidades como Porto Alegre e Canoas decidiram pela adesão à greve.

Como no caso do Cpers, paralisações dependerão do nível de mobilização dos professores.

Rede privada
O Sindicato dos Professores do Ensino Privado do RS (Sinpro) fez consulta por e-mail e 74,6% dos 2 mil docentes que responderam à enquete (10% dos sócios) confirmaram a intenção de parar. A decisão depende de cada escola.

O Sindicato do Ensino Privado (Sinepe-RS) publicou nota em seu site orientando "que as instituições de ensino avaliem as condições de sua localidade para decidir sobre o seu funcionamento ou não".


A entidade enfatizou "o compromisso com o cumprimento do calendário escolar e dos dias letivos".


PROTESTOS
As centrais sindicais e movimentos sociais marcaram protestos na sexta-feira contra as reformas trabalhista e da Previdência em ao menos 20 capitais do país. Em Porto Alegre, a concentração do movimento deve começar a partir das 12h na Esquina Democrática.

Nenhum comentário

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE